Isto é o que chamamos de história assustadora.

O ano é 2012. Digamos que você tivesse uma boa quantia de dinheiro. Poderia ser a reserva que acumulou pela vida ou uma herança. Num cenário mais tenebroso, o FGTS liberado pela empresa na sua rescisão.

Daí, você foi ao banco escolher um investimento para colocar esses recursos. Desistiu da poupança porque rendia quase nada. No entanto, a partir de uma dica do seu gerente de relacionamento, você partiu para uma alternativa mais atraente: o fundo DI.

Acreditou ter tirado a sorte grande ao encontrar o DI perfeito, que rendia religiosamente 1% ao mês (líquido). Você se sentia confiante e realizado.

Então, de um ano para o outro… Misteriosamente o fundo do banco parou de render aquele 1% mensal. Batia perto de 0,6%, quase o mesmo que a poupança.

Seu patrimônio perdia poder de compra. E, feito um pesadelo, você não tinha ideia de como estancar aquela sangria… Agora, 4 anos depois, um cenário idêntico começa a se configurar.

A poupança de hoje é seu DI amanhã

Desculpe se abalamos as suas convicções, mas investimentos que remuneram pelo CDI (Certificado de Depósito Interbancário) estão condenados.

E isso coloca em jogo seus sonhos ou projetos de vida. A compra do imóvel próprio, a reserva para a educação dos filhos, a aposentadoria sem susto.

Fundos DI são os mais conservadores do mercado. Eles acompanham o CDI que, por sua vez, segue a taxa básica de juros da economia, a Selic.

Como a remuneração depende da Selic, e a expectativa é de que ela caia bastante, a rentabilidade do seu fundo vai despencar.

Pouco antes da entrada da nova equipe econômica no governo, antes mesmo de aprovado o impeachment, a Empiricus já alertava para a queda da Selic.

O mercado revisava suas projeções e as notícias começavam a circular. Recentemente, o Banco Central do Brasil mostrou indícios de que o corte seria para valer.

Essa disposição acaba de se concretizar, iniciando o ciclo de queda da taxa básica de juros:

Os juros vão cair e podem levar junto a rentabilidade do seu fundo DI

Não cometa este erro

O maior perigo que corremos ao lidar com dinheiro é a ilusão de que não existem ameaças pairando sobre investimentos conservadores. Você tem fundo DI, Tesouro Selic, CDB, LCI, LCA, ou qualquer outra aplicação indexada ao CDI?

Então, clique aqui, pois temos uma leitura que é obrigatória para você. Dela dependerá a sobrevivência do seu patrimônio.

Nota: Esta coluna é mantida pela Empiricus, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Empiricus Research
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.